Os melhores filmes do ano de 2014 – a lista

O ano do cinema foi, nem mais, nem menos, uma escalada da indústria hollywoodiana na consumação dos seus velhos hábitos de financiar filmes para arrecadar milhões de dólares sem se preocupar necessariamente com a técnica e conteúdo empregados. E, por isso, se olharmos apenas filmes indicados ao Oscar veremos filmes de maior apelo técnico na categoria de filme “estrangeiro” e não nas demais.

Além disso, o modelo atual da indústria cinematográfica privilegia tanto protagonistas masculinos que vemos, nas indicações de prêmios, Julianne Moore perto de ganhar seu primeiro Oscar mais pela carreira do que pela atuação de Para Sempre Alice. Seu trabalho nesse filme está bem longe de grandes atuações nas últimas décadas, como em Boogie Nights ou As Horas.

Mesmo assim, sob esse contexto, surgem produções independentes que se agigantam e surgem como o mais próximo de obras-primas contemporâneas, como Boyhood ou Leviathan e é nesse embalo que conseguimos eleger os melhores filmes do ano, na humilde visão desse escritor.

TOP #5 (com 6) de 2014 :

1 – Boyhood, de Richard Linklater

 1

==
2 – Grande Hotel Budapeste, de Wes Anderson

2

==
3 – O Homem mais procurado, de Anton Corbijn

3

==
4 – Foxcatcher, de Benett Miller

4

==

5 – Ninfomaníaca (I e II), de Lars Von Trier

5

5 – O Abutre, de Dan Gilroy

52

– Os bons filmes do ano: A imigrante, O Ano mais Violento, Lucy, Lego Movie, Sob a Pele, Guardiões da Galáxia, Vício Inerente, Whiplash, Corações de ferro, Dois dias, uma noite, Garota Exemplar, Tangerines, Birdman, Conto da Princesa Kaguya, Festa no céu, Força Maior, Leviatã, Relatos Selvagens.

– E, se eu fosse um dos votantes dos prêmios, meus votos/indicados seriam:

  • Melhor filme: Boyhood
  • Pior Filme do Ano: Sin City 2
  • Melhor diretor: Richard Linklater (Boyhood)
  • Melhor roteiro: Dois dias, uma noite
  • Melhor ator: Jake Gyllehaal, em O Abutre
  • Melhor atriz: Marion Cottilard em Dois Dias, Uma noite
  • Melhor ator coadjuvante: Mark Ruffalo em Foxcatcher
  • Melhor atriz coadjuvante: Patricia Arquette em Boyhood
  • Melhor elenco em obra cinematográfica:  Foxcatcher
  • Melhor fotografia: Leviatã
  • Melhor animação:  Festa no Ceú
  • Melhores efeitos especiais: Interestelar
  • Filmes Mais Superestimados: Sniper Americano

Os melhores discos de 2014 – A lista

Pra ser sincero, resumir um ano em 5 álbuns além de injusto é um grande exercício de análise. Mas eis que, em 2014, a tarefa foi cumprida. Constatando todos os discos ouvidos e o resultado dessa compilação, sobressaíram-se discos com vocais masculinos e bandas/compositores que ou se reinventaram ou são estreantes.

Além do top 5 que apresento na sequência, 2014 foi um ano bom; não excelente, mas bom para a música de qualidade fazendo com que títulos muito bons do Beck, FKA Twigs, Tune Yards, Afghan Wigs, entre outros, ficassem de fora da seleção. E a seleção dos 5 álbuns definitivos de 2014 é a tão complicada que teve empate na 5ª posição, resultando no #TOP 5 de 6 discos!

 

  1. Spoon – “They Want My Soul”

 

=

  1. Mac De Marco – “Salad Days”

 

=

  1. Future Islands – “Singles”

 

=

  1. The War on drugs – “Lost in the dream”

Indispensável em qualquer lista de melhores do ano, o álbum do War on…. é vibrante e traz combinações de mixtapes eletrônicos de forma orgânica.

=

  1. Damon Albarn – “Everyday robots”

A mesma voz que imortalizou o Gorillaz e o Blur, Damon Albarn embarca na jornada solo com essa pérola de contemplação em forma de rock.

=

  1. Jack White – “Lazaretto”

Sem a preocupação excessive em criar singles (como no útimo álbum), White conta uma história em Lazaretto que passa por todas as suas influências do White Stripes, Raconteurs, Dead Weather. Um passeio pelo rock clássico e, ao mesmo tempo, inovador.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não contavam com a astúcia dele

Pra ser sincero, que ano triste tem se mostrado esse 2014. Ano em que sofri a perda de amigos próximos e pessoas tão admiráveis que, mesmo sem ter conhecido pessoalmente, me sentia próximo. E uma delas foi Roberto Gomez Bolaños, o Chaves. O Chapolin. O doutor Chapatin.

Se por um lado o jeito Silvio Santos de comandar o SBT sempre inibiu credibilidade do canal, com tantas mudanças na grade dos programas, por outro lado foi esse mesmo comportamento que fez uma, duas, três (quatro ?) gerações acompanharem Chaves e as demais esquetes do comediante a exaustão numa era pré-internet, Youtube e Netflix.

Muitos teorizam por que Chaves e Chapolin alcançaram tamanho sucesso no país e entre os tantos argumentos considero os mais assertivos os seguintes:

1 – A dublagem: talvez o mais importante; do que adianta um roteiro e atores de primeira se o que chega na TV aberta tem vozes que destoam. Chaves sempre foi excelência nisso com as risadas do Quico ou a malandragem do Seu Madruga carregada nos trejeitos e voz.

2 – A simplicidade: marca registrada da série, Chaves e Chapolin sempre trouxeram piadas simples, às vezes com profundidade maior que teses filosóficas (nesse ponto se assemelha muito a Família Dinossauro). Por isso, rir várias e várias vezes, anos a fio, com o mesmo diálogo sempre foi possível. Seja criança, seja adulto.

3 – A empatia com o público: criadas na década de 70 os roteiros das séries sempre brincaram ironicamente com situação de terceiro mundo da América Latina. Os personagens sempre foram claros: o devedor, o menino de rua e o herói fraco, burro mas muito corajoso (Chapolin) serviram para aproximar o público do contexto. Se admiramos Batmans e Supermans num universo e aura de superioridade improvável é com a Turma da Vila que nos identificamos e, por isso, rimos.

4 – *Cultura, sem fronteiras: Embora siga os preceitos do item anterior, vale menção especial. Chaves e Chapolin trouxeram histórias e temas que quando criança não compreendíamos (talvez até hoje, não). Foi só depois de vários anos que compreendi que ao assistir os episódios apreendia sobre as navegações de Cristovão Colombo, a descoberta da América, os clássicos de Hollywood como Dançando na Chuva ou a clássica obra ‘Fausto’ do escritor alemão Goethe (o chirrin-chirrion do Diabo).

 

A morte de Bolaños gerou tanta repercussão que foi inevitável pensar e escolher o melhor episódio de Chaves. A viagem a Acupulco certamente foi o mais emblemático por ser o mais diferente, mas o melhor, mais afinado nas piadas e atuações e meu favorito é esse do vídeo abaixo (menções honrosas para o Julgamento do Chaves e àquele que os móveis do Seu Madruga vão para o meio da vila):

E aí, qual o seu favorito ?

Para concluir: se iniciei o post falando do ano triste, sejamos honestos: são em infortúnios que refletimos e paramos para agradecer o que temos. Sobre este cidadão mexicano, fica o legado e o muito obrigado pelos (vários) momentos felizes proporcionados.

B3kQx2PIIAAtLqZ

Os melhores filmes de 2013 – A lista

Pra ser sincero, dia de Oscar é também dia de retrospectiva dos filmes do ano. Desde a premiação do ano passado, da qual Argo fez história, centenas de filmes foram lançados no circuito mundial para apreciação do público e, especialmente, arrecadação aos cofres dos estúdios.

Embora a noite de hoje marque o embate, nas principais categorias (incluindo melhor filme e direção) entre o drama 12 anos de escravidão e a cult  ficção Gravidade, a temporada 2013/14 trouxe outras obras de igual (ou maior) prestígio. O meu palpite para os Oscars desse ano é o de que os dois favoritos se revezem nos principais prêmios, mas a minha lista de melhores do ano vai muito além.

Porém, se comparado aos anos anteriores, desde a safra que tivemos a disputa medíocre entre Quem quer ser um milionário  e O Curioso Caso de Benjamin Button, não tínhamos um ano tão fraco no ponto de vista cinematográfico. Para exemplificar a situação, neste ano não tivemos nenhuma animação de grande destaque (talvez o japonês Wind Rises, que não chegou ao Brasil ainda).

Abaixo a minha lista – a lista das listas:

 

TOP #5 de 2013

 

1 – Antes da Meia-Noite (Before Midnight), de Richard Linklater

Imagem

– 

2 – Ela (Her), de Spike Jonze

Imagem

3 – Amor Bandido (Mud), de Jeff Nichols

Imagem

 –

4 – Rush, de Ron Howard

Imagem

5 – Gravidade (Gravity), de Alfonso Cuarón

Imagem 

 –

– Menções honrosas (ou, “outros bons filmes do ano”):

Nebraska, 12 anos de escravidão, A Grande Beleza, Blue Jasmine, Star Trek: Além da Escuridão, The Spectacular Now, O ato de matar, O lobo de Wall Street, Capitão Philips, Jogos Vorazes: Em chamas, Short Term 12.

– Meus votos:

  • Melhor filme: Antes da Meia-Noite (Before Midnight)
  • Pior Filme do Ano: Kick Ass 2
  • Melhor diretor: Spike Jonze, por Ela (Her)
  • Melhor roteiro:  Antes da Meia-Noite (Before Midnight)
  • Melhor ator: Toni Servillo, por A Grande Beleza (La grande bellezza)
  • Melhor atriz: Cate Blanchet, por Blue Jasmine
  • Melhor ator coadjuvante: Jared Leto, por Dallas Buyers Club (Clube de Compras Dallas)
  • Melhor atriz coadjuvante: Lupita Nyong’o, por 12 Anos de Escravidão (12 years a slave)
  • Melhor elenco em obra cinematográfica:  12 Anos de Escravidão (12 years a slave)
  • Melhor fotografia: Amores Bandidos (Mud)
  • Melhor animação:  /nenhuma/
  • Melhores efeitos especiais: Gravidade
  • Filmes Mais Superestimados:  Trapaça (American Hustle), Os suspeitos (Prisoners).

– Filmes de 2013 com grande potencial mas que eu não assisti (ou, “o mea culpa”):

Asas ao vento (Wind Rises), Blackfish.

Os melhores discos de 2013 – A lista

Pra ser sincero, listas de final de ano sempre tentam em alguns caracteres resumir tudo o que aconteceu no ano em determinada categoria/segmento. Obviamente, injustiças são cometidas devido a necessidade/limitações do poder de síntese de cada um.

No quesito música, esse post quer discutir e lhe trazer a pergunta: qual foi (ou, foram) o melhor disco do ano? Para mim, embora a resposta não tenha sido fácil, foi oportuna a reflexão sobre o que aconteceu no ano e elaborar a lista do TOP 5 (que poderia ser top 10, 20 ou 30, tranquilamente) dos disco de 2013:

=

5º – …Like Clockwork de Queens of Stone Age

A lista do top 5 inicia pelo Queens of Stone Age (ficaram de fora outras tantas opções, com menções honrosas ao Daft Punk, Palma Violet, Boards of Canada, Peace e os estreantes do Disclosure), mas a banda norte-americana do Queens of… (QOTSA) se sobressaiu, pois manteve uma impressionante consistência em todas as faixas dos disco (para mim, o melhor da banda). Com colaborações de Dave Grohl, Elton John e Trent Reznor, as canções são uma leitura excelente do que pode ser o grunge de hoje, sem modismos ou preso na nostalgia dos anos 1990, com um significado próprio, uma ode ao bom rock ‘n roll.

 =

4º – The Next Day de David Bowie

A volta do ícone das décadas 80 e 90, David Bowie, talvez tenha sido o acontecimento musical do ano. Dado como doente e recluso pela mídia, eis que Bowie lança um álbum de inéditas quase 20 anos depois das suas últimas composições. Mas, o que aconteceu com o roqueiro nesses anos? Se procurarmos respostas nas suas canções de The Next Day, saberemos que a jovialidade (de Starman, por exemplo) se foi, mas o que ficou foi um artista ainda questionador sobre seu papel no mundo e qual o seu impacto na vida dos demais. Quase  um disco biográfico, que faz um  balanço das conquistas, o disco começa alegre e vai se tornando introspectivo, omitindo refrões ou rimas fáceis.

 =

3º – AM do Arctic Monkeys

Para os que acreditavam que o destino do Arctic Monkeys estava fadado às coleções “Greatest Hits” (eu inclusive), o disco AM de 2013, mostrou o poder de inovação que a banda ainda esconde. Especialmente na primeira metade do álbum, o grupo converge uma energia única no segmento rock, com melodias empolgantes como R U Mine e Do you wanna know?, imbatíveis tanto para transformar qualquer ambiente numa festa. Embora a segunda metade do disco quase coloque tudo a perder, na soma das virtudes, a qualidade e a representatividade do disco se sobressaem.

 =

2º – Reflektor  do Arcade Fire

Sempre ousado, o grupo canadense desta vez traz um disco rodeado de temas políticos (especialmente a miséria e condições econômicas do Haiti e América Central), distanciando-se do tom mais jovial e alegre que seu trabalho anterior, de 2009, apresentou. Em Reflektor, a banda apresenta sua maturidade musical, combinando questões existenciais (a vida após a morte?) e ritmos envolventes. É acima de tudo, uma obra bem montada, um disco que tem evolução clara e que desempenha um papel fundamental na musica contemporânea.

 =

1º – Modern Vampires of the City do Vampire Weekend

Assim como o disco Is this it (2001), do Strokes, que marcou a década que se iniciava, o disco do Vampire Weekend (2013) dita a personalidade da música para, no mínimo, 5 cinco anos. E não se limita ao estilo rock. Neste álbum do Vampire Weekend, a banda encontra um aspecto humano nas suas letras e melodias, raro na cena musical atual. Oscilando composições aceleradas e canções despretensiosas, este é o álbum que melhor caracteriza o ano e a sociedade em que vivemos. Apesar deste discurso altamente filosófico, o disco consegue ser (além de tudo) uma alegre combinação para um dia depressivo.

=

* E então, você concorda com a lista ou tem preferências diferentes?

** Notaram a ausência de discos nacionais? Pois então, eu também.

Um pouco de combustível para as reflexões de fim de ano

Pra ser sincera, final de ano é uma época conhecida pelas festas, viagens, presentes e, para muitos, também é um momento para reflexão. Seja para fazer um balanço do ano que se encerra, seja para planejar o ano que irá se iniciar, esse tipo de atividade é sempre bem-vindo (e não só no final do ano, é claro)!

E para melhorar ainda mais a experiência, aí vai uma lista com 5 vídeos, sobre assuntos variados, abordados por pessoas inspiradoras e que, apesar de suas curta duração, tem o potencial de provocar reflexões muito interessantes. Vale muito a pena o play!

(OBS.: todos os vídeos são TED/xTalks. Para conhecer melhor sobre esse fenomenal movimento de disseminação de ideias, confira aqui)

5. Terry Moore: Por que o X representa o desconhecido?

Citação: “Eu tenho a resposta a uma questão que todos nos perguntamos. A questão é: Por que a letra X representa o desconhecido?”

Duração: 03 min

4. Cameron Russell: Aparência não é tudo. Acreditem, sou modelo.

Citação: “Eu acabei de transformar completamente o que vocês pensavam de mim em seis segundos.”

Duração: 09 min

3. Drew Dudley: Liderança de cada dia

Citação: “E aquele foi um momento de transformação, me abriu os olhos pensar que talvez o maior impacto que tinha causado na vida de alguém, um momento capaz de fazer uma mulher se dirigir a um estranho quatro anos depois e dizer “Você foi incrivelmente importante na minha vida”, foi um momento do qual eu nem me lembrava”.

Duração: 06 min

2. Molly Crockett: Cuidado com a neuro-bobagem

Citação: “É claro, se a ciência diz que queijo e chocolate ajudam você a tomar decisões melhores, com certeza isso prende a atenção das pessoas […] Então, o que eu vou fazer é mostrar a vocês como checar algumas manobras clássicas e sinais óbvios, na verdade, para o que tem sido chamado de neuro-bobagem, neuro-besteira ou, como prefiro, neuro-absurdo”

Duração: 11 min

1. Dan Gilbert: Por que somos felizes?

Citação: “[…] um ano depois de perder o controle das pernas, e um ano depois de ganhar na loteria, sortudos e paraplégicos estão igualmente felizes com suas vidas”.

Duração: 21 min

E você? Tem algum TED/xTalk especial que merece ser espalhado? Conte aqui para a gente :)

E caso queira ver mais ideias que merecem ser espalhadas, é só procurar sobre os assuntos que lhe interessam no site do TED.

Nova editora do blog !

Pra ser sincero, esse blog ganhou um grande reforço. A partir de hoje, temos uma editora para contribuir com os posts e com a qualidade do blog.

Seja bem vinda, Carolina! 

Mais informações sobre a Carol vocês encontram na seção “Quem ?” (à esquerda) do blog.

*Então, quando observarem um “Pra ser sincera” no início de um post, saibam que é essa adorável e inteligente voz feminina da nossa editora Carolina que vos fala.

Ricardo.

Listas dos melhores filmes e as perspectivas de 2013

Pra ser sincero, tem novidade no blog. A partir de hoje, você pode conferir em uma seção especial do blog – no painel à esquerda – as Listas – Melhores Filmes, que compila listas de 2009 a 2012 dos melhores filmes de cada ano.

E, falando em filmes, a corrida pelos prêmios na temporada 2013/2014 entra em sua fase decisiva. É nesta época (dezembro/janeiro/fevereiro) onde são lançados a maior parte dos filmes que disputam os prêmio da crítica cinematográfica. Neste ano de 2013 já é possível apontar os principais concorrente nas categoria ‘Melhor Filme’. Abaixo, cito os principais, com seus respectivos trailers:

Gravidade, de Alfonso Cuáron – filme que já teve sua estreia nos cinemas mundiais e aborda a solidão e compaixão que uma relação de vida e morte no espaço (astronautas como protagonistas, retomando o gênero que parecia em descrédito).

Capitão Phillips, de Paul Greengrass – filme da história real de um capitão de navio norte-americano sequestrado por piratas da Somália em 2008.

12 anos de escravidão, de Steve McQueen – a incrível história de sobrevivência de um escravo nos EUA pré-guerra civil, onde a cor da pele era indicativo de estado social.

O lobo de Wall Street, de Martin Scorsese – Scorsese retorna ao tema que gosta (impérios de poder construídos numa sociedade frágil, nesse cado o da bolsa de valores) e conta novamente com Leonardo DiCaprio, que também briga pelos prêmios de atuação.

Trapaça (American Hustle), de David O. Russell – o diretor que mais vem emplacando sucessos de crítica e público (O Lado Bom da Vida e O Vencedor, nos anos anteriores) traz uma seleção de elenco espetacular para contar história de crimes e da Máfia (até parece filme do Scorsese, mas não é).

Internet, Bob Dylan e o melhor vídeo de 2013

Pra ser sincero, a internet continua nos surpreendendo. Depois do lançamento do disco do Arcade Fire com clipe interativo feito em parceria com o Google (Chrome), que pode ser acessado aqui, eis que temos mais uma prova de como é (e será) a percepção da internet e a interação dela com seus usuários finais: o videoclipe interativo de Like a Rolling Stone, célebre canção de Bob Dylan.

Simples assim: o vídeo mais fascinante de 2013 ! 

O vídeo sensacionalmente imita uma televisão onde em todos os canais os atores/personagens cantam a música de Dylan. Para ficar mais claro: são canais que simulam o History Channel, BBC, ESPN, MTV, entre outros, onde TODO MUNDO canta Like a Rolling Stone. (*tem até o clipe original da música).

Um trabalho formidável para divulgar a nova coletânea de Bob Dylan que será lançada para comemorar seus 47 anos de carreira.

Para trocar os canais da televisão é só usar as setas direcionais “para cima” e “para baixo”.

Veja o exemplo do vídeo e clique em “Watch the full interactive video” para poder brincar de trocar de canais e curtir a mágica desse vídeo !