Os melhores filmes de 2018 – A lista

Com grandes diferenças em relação às premiações de cinema do ano (2018), em especial ao Oscar, que na sua 91ª edição neste domingo próximo encerra o ciclo das estatuetas dos filmes do último ano, minha lista concentra filme que privilegiam forma e desenvolvimento de conteúdo sobrepondo a temática em si. Assim, escapam dela filmes médios (Green Book ou Nasce uma Estrela) e filmes medíocres (Bohemian Rhapsody) alçados aos maiores prêmios apenas pela hiperxposição de cantores ou preocupação em fazer votantes pensarem que o racismo (e demais preconceitos) está vencido. Dito isso, exemplos de sensibilidade e cadências povoam os meus preferidos de 2018:

  • Melhor Filme: Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)
  • Melhor Diretor: Lynne Ramsay em Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)
  • Melhor Ator: Joaquim Phoenixem Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)
  • Melhor Atriz: Joanna Kulig em Guerra Fria (Cold War)
  • Melhor Ator Coadjuvante: Adam Driver em Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman)
  • Melhor Atriz Coadjuvante: Emma Stone emA Favorita (The Favourite)
  • Melhor roteiro: The Tale (The Tale)
  • Melhor montagem: Vice (Vice)
  • Melhor trilha sonora: O Primeiro Homem (First Man)
  • Melhor Fotografia: Guerra Fria (Cold War)
  • Filme(s) mais superestimado(s): Green Book: O Guia, Bohemian Rhapsody
  • Piores filmes do ano: Mute

 

E o top15 do ano:

 

15 – Vice (Vice), de Adam McKay

14 – Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman), de Spike Lee

13 – Homem Aranha no Aranhaverso (Spider Man into the Spider-verse), de Bob Persichetti, Peter Ramsey e Rodney Rothman

12 – Missão Impossível Efeito Fallout (MI Fallout), de Christopher McQuarrie

11 – The Ballad of Buster Scruggs (The Ballad of Buster Scruggs), de Joel Coen e Ethan Coen

10 – Support the girls (Support the girls), Andrew Bujalski

9 – Eighth Grade (Eighth Grade), de Bo Burnham

8 – A Favorita (The Favourite), de Yorgos Lanthimos

7 – Roma (Roma), de Alfonso Cuaron

6 – First Reformed (First Reformed), de Paul Schrader

5 – Happy as Lazzaro (Lazzaro Felice), de Alice Rohrwacher

4 – The Tale (The tale), de Jennifer Fox

3 – Sorry to bother you (Sorry to bother you), de Boots Riley

2 – Guerra Fria (Cold War), de Pawel Pawlikowski

1 – Você nunca esteve realmente aqui (You were never really here), de Lynne Ramsay

 

Anúncios

I, Tonya (2017) – Não pesquise, assista !

769341148_5618218526001_5617890179001-vs

Saber o mínimo possível de um filme antes de assisti-lo é o estilo de espectador em que eu me enquadro. Se vale a pena evitar ler notícias a respeito ou assistir trailers antes do filme em si? Normalmente, sim. Mas em “I, Tonya” a condição é ainda superada e obtive uma das mais fantásticas experiências cinematográficas graças a isso.

Sabendo apenas que se trata um filme que está no radar das premiações desta temporada 2017/2018 e com uma provável indicação a melhor atriz para Margot Robbie no Oscar – além de chances reais de vitória – e que o enredo é centrado na história de uma patinadora no gelo chamada Tonya Harding,  em praticamente 2 horas o filme brinca com este desconhecimento te deixando por vezes na certeza de que se trata de uma história real, mas na maior parte do filme racionalizando de que tudo faz parte de um grande roteiro de ficção com os mesmos atores dos personagens se passando pelas pessoas reais, numa livre a associação aos “falsos documentários”, como na série The Office. Ao final do filme, graças a uma brilhante edição ágil, conhecemos a verdade (assista ou procure em outro review pois não comentarei se é uma história real ou não).

Além disso, emoldurada sob a face de um drama de competição esportiva de alto nível (com espaço para as Olímpiadas) e todas as consequências de um ambiente competitivo, aos poucos o filme ganha seus contornos de comédia e certo humor negro, graças aos atores coadjuvantes e seus histórias surreais (destaque para o personagem Shawn de Paul Walter Hauser) e a leveza da atuação de Margot Robbie e simplicidade das suas falas. Assim, inevitável é a comparação com uma história dos irmãos Coen (Irmão, Cadê Você? ou Fargo) e precisas são as abordagens de uma realidade preconceituosa dos chamados whitetrashs nos EUA (neste caso, do estado do Oregon).

Sem revelar muito mais do filme, é notório que uma comédia – ainda mais como esta – inicialmente não tenha o mesmo apreço como um drama complexo e profundo, mas tenho a certeza que com o passar dos anos será inevitável não relaciona-la em qualquer lista dos melhores filmes de 2017 (a exemplo da maior parte dos filmes dos Coen ou do mais recente A Grande Aposta). Assistir um filme sem saber nada dele, aceita o desafio? Se a resposta for sim, I, Tonya é o melhor ponto de partida.