A nossa riqueza

Medir e falar de números sempre esteve ao lado das ciências exatas e distante demais das humanas. Neste processo de 8 ou 80, yin ou yang, esta separação trouxe uma perda de oportunidades a ambas as áreas. Um exemplo clássico, que condiz e muito com a nossa época, é a forma de categorizar a classe social. Polêmica por natureza, pode vir pelo questionamento a um entrevistado sobre a renda familiar ou sobre quantidade de bens que possui, cujo somatório é apresentado através de um método chamado “Critério Brasil”.

Antes de discorrer sobre a eficácia de tais métodos, é oportuno falar deste Critério Brasil, que transforma em pontos a quantidade de atributos no domicílio e a escolaridade do chefe da família da forma que as tabelas abaixo denotam.

1

De acordo com a pontuação obtida, o domicílio será classificado em seis estratos socioeconômicos: A, B1, B2, C1, C2 e D-E.

2

Quanto mais se dedica tempo a essa metodologia, ainda considerada de grande eficácia nas pesquisas, mais se percebe que ela é falha e que falhamos nas coisas mais óbvias.

Inicialmente, personifica em uma pessoa, o “chefe da família”, num conceito retrógrado que remete ao patriarcado antigo, a responsabilidade do sucesso de todos. Além disso, atribui importância desmedida aos bens/cômodos de uma moradia. Aí está o maior questionamento filosófico, que se estende não só ao método, mas a percepção social (pois, embora discorde deste critério, ele representa infelizmente ainda, um senso comum), a falácia de que a maior quantidade de bens indica maior riqueza. A este critério o investimento de tempo e dinheiro em projetos sociais é muito menor do que dois micro-ondas na cozinha. Afinal, quem prefere ajudar ao outro quando se pode ter um copo de leite e um prato de comida aquecidos ao mesmo tempo? Mais do que isso, é de certa forma uma apologia a uma vida de consumo, orientada a posses e sua divulgação alimenta um sonho distorcido a tantos que buscam melhores condições financeiras de que para se elevar de classe, implica adquirir, comprar e ter.

Na contramão deste, o sociólogo Jessé Souza (autor de A Elite do Atraso e A Classe Média no Espelho, entre outros) traz uma classificação menos econômica e mais social e cultural às classes: com sabedoria classifica a classe alta como elite proprietária, de grandes extensões de terra ou dos meios de produção, e a classe média vinculada a educação, ao privilégio positivo de estudar, de receber educação (da família principalmente) que estimula capacidade de pensar, que faz enxergar toda a complexidade que há no mundo e estimula a capacidade de pensamento abstrato. Além de estar implícita uma crítica a ideologia da meritocracia aí, traz de forma simples a importância da educação, da família, de aspectos sociais a um tema – classe socioeconômica – atualmente muito mais associado a cifrões que ao modo de pensar.

Então, por que abordar e questionar esses métodos atuais? Porque são os dados obtidos através deles que ditam políticas de governo e estudos sociais aplicados. Também porque espalhar e questionar esse senso de certeza quanto ao método de medir é o princípio para muda-lo e, aprender que numa discussão de métodos e números, nem só um pensamento puramente cartesiano pode ser ouvido.

Mais sobre esse raciocínio de Jessé Souza pode ser visto nessa entrevista:

A Felicidade Não Se Compra: o individualismo e a liquidez do mundo

O clássico filme de 1946 de Frank Capra A Felicidade Não Se Compra (It’s a Wonderful Life) continua vivo e atual, mais do que nunca nas manifestações da nossa cultura em referencia-lo como um filme obrigatório para época natalina. No entanto, sua atualidade vai além: seus temas centrais, como o individualismo, a vontade de ser mestre do seu destino (representada no frustrado ideal de vida do protagonista) se tornou mais forte desde que o filme foi lançado. Passaram-se as grandes guerras armadas para o “mundo ocidental” e restou o consumo e a falsa sensação de que tudo o que fazemos ou deixamos de fazer é nosso mérito individual, exacerbando um estado de liquidez. Com um aditivo mais recente chamado redes sociais temos um estado caótico muito bem explicado no vídeo do excelente canal Like Stories of Old, intitulado “O Antídoto final ao Cinismo”. Vale (e muito) os 14 minutos – legendado:

Os melhores discos de 2018

Wow! What a year!

Se ano passado a tarefa de elencar os melhores discos foi árdua (você lê nesse post aqui a lista de 2017), nesse ano a pretensão de resumir o ano em 5 álbuns foi pro espaço ainda no primeiro trimestre e o top5 virou top10 e, na vontade de não deixar tantos bons trabalhos de fora, virou top15.

Eis os meus discos preferidos de 2018:

15 – Soccer Mommy, Clean

14 – Jorja Smith, Lost and Found

13 – Spiritualized, And Nothing Hurt

12 – Robyn, Honey

11 – Janelle Monae, Dirty Computer

10 – Kurt Vile, Bottle it in

9 – Kali Uchis, Isolation

8 – Camila Cabello, Camila

7 – Courtney Barnett, Tell me How you Really Feel

6 – Paul McCartney, Egypt Station

5 – Arctic Monkeys, Tranquility Base Hotel & Casino

4 – The Internet, Hive Mind

3 – Mitski, Be the Cowboy

2 – Fantastic Negrito, Please don’t be dead

1 – Pusha T, Daytona