Conceito

Conceito é uma palavra que traduz uma ideia. Uma ideia inteira que então fica “presa” a algumas letras, que pode ser colocada em frases, conversas, músicas ou camisetas. Quando paramos para pensar em como esse lado angustiante da linguagem é tão limitador, em especial, ideias mais belas por natureza parecem as mais prejudicadas. Como disse Oscar Wilde “definir é limitar”. Então, se não nos escapamos de criar e popularizar conceitos, que o façamos não como quem reza um Pai Nosso sem se dar por conta do que fala e sim, como quando se demora uma eternidade para ler um parágrafo justamente porque por trás de cada palavra há uma ideia e, normalmente, uma história. Ao nos depararmos com alguma placa com dizeres fora do comum em locais públicos (“não alimente os jacarés”, “antes de entrar no elevador certifique-se de que ele realmente está no andar”) logo imaginamos que toda placa tem uma história que levou ela a ser colocada lá. Assim são as palavras. Todas.

Talvez o mais divisivo e explorado conceito da história humana é o da felicidade. Sem pretensão alguma de querer definir algo que sempre soubemos mais sentir do que quantificar é bom conhecer o que já foi dito sobre o assunto. Um  bom começo é o vídeo do professor e palestrante Clóvis de Barros Filho que, em 34 minutos, aborda de uma forma leve as caracterizações desse conceito através dos olhos de Aristóteles, Jesus e Espinoza.

 

Ainda, o aspecto mais fascinante deste vídeo na minha opinião é a revolução que Jesus trouxe com sua ideia de felicidade. Algo que, seja você cristão, ateu ou religioso de qualquer tipo de espiritualidade, há de se admitir que foi único e dividiu o mundo de forma muito mais importante que o calendário (a.c./d.c.), pois foi pela primeira vez (documentada) os ideais de amor fraterno entre todos como felicidade foram tão bem pontuados. A este, a chamada Oração de São Francisco, é a síntese da filosofia mais pura sobre o que pode ser o conceito de felicidade.

Senhor, fazei-me instrumento da vossa paz
Onde houver ódio, que eu leve o amor
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão
Onde houver discórdia, que eu leve a união
Onde houver dúvida, que eu leve a fé
Onde houver erro, que eu leve a verdade
Onde houver desespero, que eu leve a esperança
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó mestre, fazei que eu procure mais consolar do que ser consolado
Compreender do que ser compreendido
Amar que ser amado
Pois, é dando que se recebe
É perdoando que se é perdoado;
E morrendo que se vive
Para a vida eterna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s